ESCRITORES

ESCRITORES

O erotismo exaltado na ficção poética de Braulio Tavares

O poema e imagens publicados aqui, ainda que sejam belas expressões de pura arte, podem melindrar os puritanos mais desprevenidos.
A buceta da minha amada
tem pelos barrocos,
lúdicos, profanos.
É faminta,
como o polígono das secas
e cheia de ritmos
como o recôncavo baiano.

A buceta da minha amada
é cabeluda
como um tapete persa.
É um buraco-negro
bem no meio do púbis
do universo.

A buceta da minha amada
é cabeluda,
misteriosa, sonâmbula.
É bela como uma letra grega:
é o alfa-e-ômega dos meus segredos,
é um delta ardente sob os meus dedos
e na minha língua
é lambda.

A buceta da minha amada
é um tesouro
é o Tosão de ouro
é um tesão.
É cabeluda, e cabe, linda,
em minha mão.

A buceta da minha amada
me aperta dentro, de um tal jeito
que quase me morde;
e só não é mais cabeluda
do que as coisas que ela geme ao meu ouvido
quando a gente fode.

Clique no link abaixo e leia uma seleção de contos e poemas eróticos de vários autores publicados na Revista de Literatura & Arte - Germina, entre eles: Anaïs Nin, Hilda Hilst, Safo de Lesbos, Marquês de Sade, Pietro Aretino, Giacomo Casanova, Voltaire, Bocage, Oscar Wilde, Osvald de Andrade, Nina Rizzi, Carlos Drummond de Andrade, Xico Sá, Braulio Tavares e muitos outros...

Postar um comentário