ESCRITORES

ESCRITORES

Fogo: Diários não Expurgados [1934 - 1937]

"Eroticamente intenso. [...] Embriagadoramente intoxicante"


Fogo é o terceiro volume dos diários não expurgados de Anaïs Nin, a continuação das revelações iniciais em Henry & June e Incesto - a história da busca de uma mulher que anseia por se descobrir e se libertar sexual, artística e emocionalmente. Cobrindo os anos de 1934 a 1937, a autora abre neste volume o relato sobre um novo capítulo em sua vida: a estadia em Nova York. Ao se refugiar na América, Anaïs estava escapando do seu casamento com Hugh Guiler e de seu envolvimento amoroso com o escritor Henry Miller para ficar perto do analista Otto Ranck, um de seus amantes - mas essa fuga não duraria muito tempo, e ela retorna a Paris, para Hugh e Henry. Mesmo voltando para casa, pesa sobre ela a sombra da insatisfação, da incompletude. A cura para esse desencanto vai ser o peruano Gonzalo Moré. "Meu sangue ouve espanhol", confessa Anaïs.
Anaïs Nin começou seus diários em 1931, a partir do envolvimento amoroso com Henry Miller, e continuou escrevendo até sua morte, em 1977. Sua escrita ao longo dos anos é um dos registros mais extraordinários e minuciosos do fluxo de sentimentos femininos. Sua escrita sem amarras e a prosa envolvente fazem o leitor acompanhar a autora em suas desilusões, medos e descobertas.
SAIBA MAIS: [ANAÏS NIN, VIDA&OBRA

VÍDEOS RELACIONADOS: [Diários de Anaïs Nin]
Postar um comentário