ESCRITORES

ESCRITORES

A poética marginal de Ana Cristina César


Ana Cristina César - Poesia - Poesia Margina
"Ana Cristina César é pura mágica crítica, ao mesmo tempo em que é alinhada com sua geração. De modo que mesmo estando na lista de poetas marginais, ela consegue ser tanto escrachada e refinada que por consequência leva a uma incompreensão para o leitor que já chega com ideias preconcebidas e que procura na poesia o sentido da coisa, quando na verdade em Ana Cristina César o que vale não o sentido final e sim o sentir antes de tudo. E você pode ficar sem entender ainda...
Para decifrar a mágica da poesia de Ana é preciso saber que sua poesia é singular e muitas vezes experimental ou como ela mesma dizia: - "Literatura é reinvenção".
Para perseguir e dar conta do recado é também necessário saber que as poesias da autora mergulham em suas influências simbolistas, como Baudelaire e suas Flores do Mal ou em Flores do Mais de Ana Cristina César.
[...] A poesia de Ana Cristina César é expansão, é vida correndo e acontecendo. É a artéria jorrando sangue sem parar. De fato acontecendo. A legítima esfinge poética que faz desse fluxo incessante a espécie de linguagem que se fala, por si mesma".
Por Josué Rowstock, em [DECIFRANDO A ESFINGE DA POESIA MARGINAL] ensaio literário poético sobre Ana Cristina César.

Ao Saraiva Conteúdo, Viviana Bosi falou um pouco sobre a produção da escritora, as características da sua poesia urgente e indicou livros para quem quer começar a conhecer melhor Ana Cristina.

Postar um comentário