ESCRITORES

ESCRITORES

Afinal, é possível discernir a diferença entre pornografia e erotismo?


O Entrelinhas discute um tema sedutor, mas cercado de tabus: a literatura erótica. O programa foi conferir o Encontro de Literatura e Erotismo promovido pelo Sesc Pinheiros, em São Paulo, e conversou com os escritores Marcia Tiburi e Evandro Affonso Ferreira. A reportagem inclui ainda uma entrevista com Eliane Robert Moraes, especialista na obra do Marquês de Sade, que falou sobre a diferença entre erotismo e pornografia e sobre os autores que fazem da sexualidade uma forma de transgressão literária.




Pornografia, erotismo, sexualidade e amor. Dá pra conceituar e distinguir cada um deles?

[...] "Esta não é uma questão fácil de responder. Esses conceitos são complexos e de sentidos e significados múltiplos. Demarcar o território do erotismo e da pornografia é uma tarefa arriscada. Vou tentar mirar apenas nos fenômenos do erotismo e pornografia, já que incluir o amor e a sexualidade demandaria muito espaço. Podemos dizer, em linhas gerais, que há alguns traços singulares entre o erotismo e a pornografia que nos possibilitam estabelecer uma diferenciação razoavelmente aceitável. Uma das diferenças mais comuns diz respeito ao "teor" mais nobre do erotismo, em contraposição com o caráter "vulgar" da pornografia. O que confere esse grau de nobreza ao erotismo é o fato dele não se vincular diretamente ao sexo, enquanto que a pornografia encontra no sexo e na sexualidade seu espaço privilegiado. Dessa forma, o erotismo estaria mais próximo do sexo implícito [portanto aceitável] e a pornografia do sexo obsceno, direto, explícito e comercializável. Porém, distinções desta natureza podem nos conduzir a práticas preconceituosas! Afinal de contas, erótico ou pornográfico, depende dos contextos histórico, cultural ou moral onde esses fenômenos estão inseridos." [...]
Por Sebastião Costa Andrade, professor, mestre em Ciências Sociais e doutor em Sociologia [Universidade Federal da Paraíba]. Faz pesquisa sobre sexualidade, idoso e novas tecnologias. 

Para ler o texto completo [entrevista do professor Sebastião  no site Antropologia.com], acesse:
[www.antropologia.com.br/entr/entr50.htm]

Eliane R. Moraes fala sobre a representação erótica no âmbito da literatura e do ponto de vista histórico, abordando a distinção feita pelo senso comum entre erotismo e pornografia. A ideia de que o erotismo seria aquilo que é velado em contraposição à pornografia, está na base de um apelo moral que também varia a cada época. A difusão da pornografia no último século ocorre com a consolidação, de um lado, de um comércio de repertório considerado obsceno e, de outro, de novas representações do sexo como arte erótica. Para ela, a pornografia revela uma forma de conhecimento que supõe um aprendizado e uma possibilidade transformadora.
Eliane Robert Moraes: doutora em filosofia pela USP, professora de Estética e Literatura na Faculdade de Comunicação e Filosofia PUC-SP, crítica literária e autora de obras como Marquês de Sade - Um libertino no salão dos filósofos.
Para assistir ao vídeo e saber mais sobre o tema, acesse:
Postar um comentário